A dor do parto e da vida!

Há 365 dias pari, em casa, sem anestesia. Não, não sou corajosa, não sou louca e nem índia, sou real. Digo real porque o irreal é não sentir dor, a vida progrediu, o mundo aconteceu, a medicina cresceu e ainda não há nada que nos impeça de sentir a dor, somente anestesia-la.parir

Seu corpo sente dor, sempre, a anestesia o engana para fingir que nada sente. É assim que aprendemos a viver, desde que nascemos: anestesiando a dor. Acontece, minha amiga, que dor foi feita para ser sentida, vivenciada e só assim ela vai passar, realmente.

A dor não é um problema, ela é o indicio que há um em algum lugar, se estamos anestesiadas, como sentiremos o que nos dói? Como poderemos nos curar do problema se a dor, que é o alarme esta sendo calado?

Talvez a essa altura você tenha percebido que não falo mais e somente da dor do parto, falo da dor da vida. Da dor de bater o dedinho do pé na mesa, de cólica (que podem ser um pouco anestesiados, vai!?), mas muito mais, da dor que é viver. Não tenha medo ou vergonha de saber e sentir que a vida é uma dor! É sim! Ela dói porque algo em algum lugar não faz sentido, não esta lá, falta! E se falta, precisamos repor, mas como o faremos se fomos ensinados a não sentir essa dor?

O tempo passa e a anestesia deixa de fazer enfeito, sempre! Anestesia não é para sempre, nem pode ser, em algum momento, até no parto, precisa-se saber o que se sente, precisa entender um pouco da dor, precisa-se saber se o corpo respondeu bem ao parto, a cirurgia.

Você toma analgésicos então e a vida continua. Mas a dor, jamais fica encoberta e anestesia-la só faz com que ela ressurja forte, muito maior do que antes e sabe porquê? Porque ela não foi curada, porque o problema existe ainda, porque te ensinaram a cobrir e fingir, mas jamais a enfrentar e resolver.

A vida tem sido assim, não é de hoje! A dor não curada tem sido manifestada pelo corpo com doenças, pela mente com estresse e depressão. E claro, como não há cura para a dor que jamais foi curada, tomamos mais remédios para continuar fingindo que ela não existe.

Pois sinto lhe informar: haverá sempre dor! Aceite isso, só existem duas realidades na vida e não são muito boas, haverá dor e morreremos um dia. Não adianta fugir, olhe a dor de frente, pergunte porque ela dói e onde dói, se abra a ela e você vai descobrir o verdadeiro milagre da vida, ai estará a verdadeira felicidade.

A dor vai e te deixa forte, a dor passa e o problema também, ele não ressurge para te buscar, ele não precisa de anestesia, analgesia, anti-depressivos, ele passou e pronto! No futuro, outra dor irá surgir, mas quando estamos fortes, enfrenta-la é ainda mais fácil e assim se torna a vida. Não uma falsa alegria onde a dor, solidão, medo estão lá, bem no fundo querendo gritar e algo no seu cérebro a engana para fingir que aquilo não existe. Mas a alegria real, de saber que se é capaz, de saber que é possível, de saber que você não tem medo da dor.

Não se trata mais do parto, é verdade, vai além! Se trata da vida e eu decidi, antes de ter meu parto natural, depois de um normal anestesiado, que não queria mais ver a vida com olhos de mentira, com enganações, queria ver a vida como ela é e assim o fiz também no parto. Senti cada dor, aceitei todas elas, me abri, olhei nos meus próprios olhos e encarei meus medos, incertezas e dúvidas. Além do que, como eu disse, toda dor anestesiada pode aparecer maior depois e isso é no parto também, uma anestesia malfeita pode dificultar o parto e não queria isso.

Sai do meu parto melhor e mais forte. Escolha minha dessa vez encarar assim, nada de errado com o meu parto de antes, (ou com qualquer parto que você possa ter) alias, naquele caso, eu necessitei da anestesia para ser forte, foi lindo também, mas dessa vez, estava pronta para ver a vida assim sem anestesia, sem óculos e não me arrependo nem por um instante, descobri da dor uma força maior do que toda minha vida!

Related Post