Me deixa chorar!

O choro é um dos maiores incômodos dos pais e da sociedade para com as crianças, desde que são bebês. Não é a toa, o choro foi feito para incomodar mesmo, um alarme para chamar atenção dos adultos, especialmente quando estão em perigo.

Não sei se a sociedade reprime o choro e o associa a uma pessoa fraca de mais, se nós adultos choramos por motivos realmente desesperadores, como morte, desemprego, contas e dívidas (coisas que julgamos realmente importantes) ou o que acontece, mas basta alguém chorar do nosso lado que ficamos sem reação, sem saber o que fazer para sessar o choro.chorando

Esse é nosso erro desde sempre, qual o problema de chorar seus desesperos? De deixar a lágrima levar para longe aquilo que a angustia no peito? É só começarmos ou vermos alguém chorar que uma voz sempre repete: “Não chore!”, pois chore sim, chore até se sentir melhor, não deixe dentro de você uma semente de tristeza, você não merece.

E então, nos tornamos pais e o bebê chora, sempre, mesmo os que “não choram” choram e se não choram, talvez devêssemos nos perguntar o porquê. Afinal, o choro do bebê clama por uma solução de seu problema, não para seu choro! “não consigo fazer ele parar de chorar”. Não conseguirá jamais se o problema não for resolvido e infelizmente não cabe a você resolvê-lo sempre.

Se for fralda, frio, pode ser mais simples, o problema é quando é fome. A fome do bebê é algo que as pessoas duvidam sempre, seja de alimento, seja de aconchego, amor, atenção. Afinal, porque chorar se acabou de mamar? Imagine você, comeu, mas não foi o suficiente, ou quem sabe foi, mas deu fome e te negam o que comer, você pode não chorar, mas vai sentir fome e no bebê, se ele sente fome, ele chora, muito.

Imagine você precisar de um colo apertado (até porque seu movimento é limitado) e não receber, imagine precisar de um seio farto para sugar, de um abraço, imagine necessitar de algo e não receber? Você vai ficar angustiado. Bebês precisam de colo, de livre demanda, de paciência e de contato, eles não entendem amor a distância, sozinhos no berço lá no quarto deles.

Você pode entender que é amada pelo seu marido quando ele sai para trabalhar, e mesmo assim, arrisco dizer, pode ficar desconfiada as vezes e ligar para ter certeza. Se ele não atende? Você se sente como? Pois então saiba como um bebê não atendido se sente, no minimo desesperado.

Claro que terão cólicas, dores de barriga, febres e outras condições externas para incomodar o bebê, mas é fato que de um modo geral, bebês que são carregados o dia todo (literalmente) por suas mães, choram menos, muito menos.

O colo, o seio, a livre demanda foram totalmente banalizados, muito luftal seria evitado se aceitassem que o lugar do bebê não é no berço, nem no carrinho, é no colo! Eles têm fome de colo e dói não receber consequentemente eles choram, muito!

Na busca desesperada por tentar calar o bebê, fazemos muitas vezes o que ele precisa e o pegamos, porém já estamos desesperadas, estressadas e passamos isso para ele, ele sente o desespero e se desespera mais. E assim, vira aquele círculo sem fim de choro e mais choro, do bebê e da mãe.

E porque calar o choro? Para que somos ensinados desde cedo a não chorar? Bebê que chora é feio, mal educado. Criança que chora recebe olhar torto, adulto que chora é fraco, desesperado. Talvez uma tática bem sucedida da indústria farmacêutica para vender mais alguns anti depressivos, será?!

Esses dias Bento (3 anos) chorava, por nada, pelo menos para mim, que olhava minha conta corrente com preocupação. Tentei explicar porque eu queria chorar também, ele subestimou meu desespero, para ele, a conta não era nada, o problema mesmo era querer comer banana e não poder naquele minuto e ele tem razão, cada um com seus problemas. “Filho, não precisa chorar, explica o que você quer que eu pego!” disse eu tentando ensinar que aquele choro era desmedido e desnecessário. “Eu quero chorar mamãe” respondeu ele tentando através do choro, aliviar sua angústia (que talvez tivesse mais a ver com minha falta de atenção do que com a banana em si).

As vezes o choro é só um choro, um alivio que pode ser contornado quando se aprende a controlar melhor as emoções. As vezes o choro é sem razão. As vezes o choro é um alarme de um incêndio e desligar o alarme, não resolve o incêndio. Por isso, antes de desligarmos os alarmes de nossos filhos e deixá-los queimar por dentro, tentemos descobrir onde tem o fogo, porque infelizmente fogo não apagado pode durar a vida toda!

Related Post