Mãe em tempo integral:

Um dos aspectos mais dificeis para qualquer mãe é como conciliar a carreira e os filhos de forma a não prejudicar nem um, nem outro! Semana passada, conversamos com a Psicóloga Raisa Arruda sobre sua experiência pessoal e profissional (veja AQUI) de volta ao trabalho! Hoje, quero falar com a Bruna que decidiu se dedicar exclusivamente aos filhos com a chegada do segundinho!

  • Nome: Bruna Romeiro @bruninha_romeiro
  • Nome e idade do (s)filho(s):

Enzo 3 anos e 4 meses e Théo 1 ano e 4 meses.

  • Já trabalhou fora?

Sim.

  • Antes de pensar em ser mãe, já havia pensado sobre o trabalho e a vida de mãe?

Não.

  • Como era sua vida profissional antes de se tornar mãe?

Era boa, eu trabalhava em uma multinacional alemã no ramo de automação industrial.

  • Como se sentiu quanto ao trabalho quando soube que estava grávida?

Desde a primeira gestação o desejo era parar de trabalhar, mas infelizmente eu não podia, era recém-casada, tínhamos casa, carro, entre muitas outras contas, então parar quando o Enzo nasceu não era uma opção. Apesar de ser apenas 1 ano 11 meses e 15 dias de diferença, muita coisa mudou do nascimento do Enzo para o nascimento do Théo (graças à Deus! rs)

  • Como decidiu que não trabalhara mais para ficar com os filhos?

Como disse, eu já queria parar desde sempre, e com a situação mais estabilizada, parar de trabalhar (fora, por que em casa trabalho 24×7, rs) era uma possibilidade real agora.

  • Porque?

Eu e marido conversamos muito sobre, afinal não pode ser uma decisão só minha, e chegamos ao consenso de que nossos filhos precisam mais de mim do que eu de trabalhar fora agora. Acho que o que me influenciou muito foi o mundo da humanização, Théo nasceu em casa, parto domiciliar planejado, e desde então comecei a ver o mundo de uma maneira diferente, eu não queria terceirizar meus filhos, e como eu podia parar de trabalhar optei por me dedicar exclusivamente a eles.

  • Como se sente quanto a essa decisão?

Muito feliz e realizada, apesar de nunca ter pensado na possibilidade de ser mãe em período integral, rs. Estou amando.

  • Tem marido ou alguém que te ajude financeiramente em casa?

Marido.

  • Como essa pessoa reagiu?

Ele me apoiou 100% na minha decisão.

  • Sente falta de ter um trabalho?

Sim e não, rs. Sinto falta do trabalho, pois lá o trabalho uma hora acabava, eu tinha horário de almoço, ia ao banheiro sozinha, rs. E não sinto falta pois sei que estou fazendo o melhor para meus filhos, sei da importância da minha presença na primeira infância deles, eu saía para trabalhar 7h e voltava às 19h, ou seja, eu mal via meu filho acordado, perdi muitas “primeiras vezes” do Enzo, e com o Théo isso não aconteceu. E dinheiro nenhum no mundo paga isso.

  • Que vantagens você acha que tem ser mais presente no crescimento dos filhos?

Minha mãe nunca trabalhou fora, e isso para mim foi uma experiência muito boa, por isso quis fazer o mesmo pelos meus filhos, não que eu ache que trabalhando fora não seja possível, é sim, mas outras pessoas te ajudam na criação deles, e como eu disse antes, li vários textos sobre terceirização da educação e percebi que não queria isso. E o Théo até uns 8 meses não ficava com ninguém para nada, quando ele tinha 3 meses fui colocar DIU e ele nem mamou o LM na mamadeira que o pai dele tentou dar, rs. Ele chorou sem parar por meia hora uma vez que deixei ele com minha mãe para comprar pão, rs. Acho que isso pesou muito também.

  • Pretende voltar a trabalhar?

Sim, mas pretendo trabalhar em casa, eu faço diversos tipos de artesanato e pretendo trabalhar com isso.

  • Quando?

Quando o Théo for mais independente, por volta de 1 ano e meio 2 anos, que ele ainda exige muito do meu tempo, às vezes nem o colo do pai resolve, rs.

  • Dica para as mamães que pretendem seguir por esse caminho:

É difícil para quem está acostumada a ter independência financeira, mas com o tempo tudo se ajusta. Eu não imagino mais outra vida a não ser essa.

Gostaram?!

Beijos Lily

Related Post